Literatura



A História da Literatura Ocidental


Temos em português, sorte a nossa, uma das melhores histórias críticas da literatura ocidental, de autoria de Otto Maria Carpeaux, crítico literário austríaco que residiu durante a maior parte da sua vida no Brasil e que nos legou, a nós brasileiros, um acervo digno dos maiores esforços de síntese e que pode, sobretudo, servir como instrumento na formação de qualquer leitor interessado em compreender melhor os grandes escritores e as grandes obras de todos os tempos.





   
O crítico literário Otto Maria Carpeaux, em 1959
Quem quer que o tenha lido, sabe que é próprio de seu estilo narrativo e analítico compor as relações entre as obras literárias quer seja a partir das influências que as vão costurando ao longo da história, quer seja a partir de raios concêntricos ou núcleos de radiação, nos quais se encontram os maiores escritores de toda a literatura.

Para ser possível mapear o número e a qualidade dos grandes literatos, seu valor e sua contribuição à história da imaginação humana, seguiremos o percurso de sua História da Literatura Ocidental, organizando as figuras literárias mais importantes de cada época histórica, aquelas que seria lastimável se não as conhecêssemos, sendo muitas ainda desconhecidas do grande público.

(em construção)


A História da Literatura

1. A literatura grega [do século VIII a. C. ao II d. C]

O centro de gravidade de praticamente toda a literatura e poesia na Grécia antiga foi sem dúvidas o seu primeiro grande poeta: Homero. Como dizia Xenófanes e Platão, Homero educou toda a Grécia. É por ele que a literatura ocidental tem seu início, é nele que os gregos se veem e ouvem sua natureza e seu espírito. É a ele que se deveria ler antes de qualquer outro autor grego. Depois dele, somente os Diálogos de Platão alcançaram uma influência comparável.

*HOMERO [Ilíada Odisseia]

  *Hesíodo [criador da Teogonia, sobre a origem dos deuses, e uma obra em louvor do trabalho e da justiça]

    *Lírica ou Mélica [grande parte em fragmentos, com a exceção de Píndaro, de que se conservaram mais textos]

      *Tragédia grega - Ésquilo [o primeiro grande criador da poesia teatral trágica]
                                         Sófocles [o poeta do louvor à sobriedade e à temperança]
                                     Eurípides [força das personalidades e das emoções individuais e da mulher]

        *Comédia grega - Aristófanes [sátira ao nível da condenação pública e da crítica literária]

           *PLATÃO [poeta e filósofo, aperfeiçoou a forma do Diálogo para o filosofar]

                *Plutarco [criador do gênero das biografias, realizando diversas vidas comparadas]



2. O mundo romano [do século II ao IV d.C.]

A literatura romana, no geral, parece de segunda mão. Sob o reflexo constante dos modelos gregos em todos os gêneros, as primeiras grandes elaborações literárias não são necessariamente poéticas mas retóricas e intelectuais. São deste tempo Vitrúvio e Júlio Cesar, os pórticos da literatura romana que não eram literatos de ofício, além de Cícero e Lucrécio, os seus maiores prosadores, depois de Salústio. Já a literatura, em sua força propriamente poético, começa com CATULO, porém só chegando a sua mais conhecida expressão com Ovídio, Horácio e Virgílio.

*Propércio [único dos elegíacos comparável à excelência de Catulo]

   *VIRGÍLIO [criador da famosa Eneida, também compôs Bucólicas e Geórgicas]

     *HORÁCIO [o maior entre os poetas menores, foi também o mais completo deles]

       *OVÍDIO [Metamorfoses, A Arte de amar]

         *Lucano [por meio de sua Farsália, se opõe ferrenhamente a Nero e à república romana]

           *SÊNECA [estoico, compôs tragédias e escritos filosóficos]

              *Apuleio [literato viajante que encontra soluções às angústias na mística oriental]

               *Marco Aurélio [o imperador filósofo, estoico de formação, deixou suas Meditações]

                 *Boécio [o último romano, por assim dizer, criador da Consolação da Filosofia]


3. A literatura no mundo cristão 


Comentários

Mais lidas